© 2018 Carla Cunha | Rio de Janeiro - BRASIL

Dos talentos



Gostaria de falar neste meu segundo post sobre nossos talentos e nossas escolhas profissionais. É bastante simplório imaginar que talento leva a escolha profissional, então sendo assim todas as pessoas seriam felizes em seus trabalhos. Todos nós sabemos que não é assim, raríssimas pessoas vão direto ao alvo.

Por milhares de situações, escolhas, enganos, destino ou como queiram chamar, não conseguimos enxergar ou aceitar nossos talentos. Costumo citar o filme infantil: Tinker Bell – Uma Aventura no Mundo das Fadas, como exemplo disso. Sininho descobre que seu talento é ser artesã, uma fada que faz e conserta as coisas, mas a princípio ela não aceita este talento e tenta adquirir os talentos das outras fadas sem sucesso. Após uma série de rodeios ela finalmente assume seu talento e se torna a melhor artesã entre as fadas.

Parece um conto bobo, mas transpondo isto para nossa realidade, a maioria das pessoas desde a infância almeja ter a profissão X ou ainda não sabem o que gostariam de fazer. E como dizem, quem não sabe onde quer chegar, não chega a lugar algum. Na verdade, acredito que todos nós temos habilidades incríveis em determinadas tarefas e as fazemos sem esforço algum, achando que aquilo qualquer pessoa faz e assim menosprezando nossos talentos.

Acho que tudo isso passa por uma questão de amadurecimento, segurança, autoconhecimento. Para uns vem rapidamente, a pessoa já nasce um “Medina” ou uma “Fernanda Montenegro”, para outros leva quase uma vida, e olha, deve ter gente que passou pela vida sem reconhecer seu talento.

Dentre as pessoas que descobriram seus talentos na maturidade, gosto de citar duas pessoas que admiro muito: Sebastião Salgado e José Saramago. Sebastião Salgado decidiu seguir a profissão de fotografo após os 30 anos, depois de ter sido economista. Saramago, foi de serralheiro mecânico e seus livros começaram a fazer sucesso quando ele já tinha quase 50 anos.

Gostaria de dar meu testemunho sobre o tema, dei muitas voltas até chegar aqui, principalmente porque não tenho apenas 1 talento, tenho vários. Sou geminiana, criativa, hiperativa, curiosa e observadora, brinco as vezes que vou trabalhar vendendo ideia para as pessoas, visto que eu sozinha não dou conta de dar vida a todas elas. Outro talento que eu tenho e que também já pensei em comercializar é o meu assobio, as pessoas ficam realmente impressionadas com ele. Mas deixando as brincadeiras de lado, um dia eu já estive poeta, já estive escritora, já estive desenhista, trabalhando no McDonald's já fiz a melhor volta na casquinha que muitos por aí, foi um caminho longo até chegar aqui.

Hoje me encontro fotografia de corpo e alma, porque descobri que todos estes talentos cabem nesta arte.

A fotografia é muito mais do que clicar, com ela pode-se ver poesia, pode-se escrever histórias, pode-se desenhar com a luz e pode-se o que você for capaz de imaginar. Nisto fiz da fotografia uma espécie de caixinha para guardar meus talentos e usá-los quando necessário.

#inspiração

6 visualizações